João Pessoa, 20 de Outubro de 2017

15 de Março de 2017

Guerra na Síria completa 6 anos

Guerra na Síria completa 6 anos

 A guerra na Síria completa seis anos nesta quarta-feira (15) com um saldo de cerca de 400 mil mortos, 4,9 milhões de refugiados, mais de 6,3 milhões de deslocados internos e suas principais cidades em ruínas. No entanto, diferente dos anos anteriores, neste aniversário há a possibilidade de que a fase mais sangrenta da guerra termine, apesar de a paz ainda ser incerta, com a perspectiva de o governo de Bashar Al-Assad voltar a se consolidar no poder.

No último um ano e meio, desde que a Rússia começou a bombardear o território sírio em apoio a Assad, o governo sírio pôde retomar territórios importantes e estratégicos, na costa do país. A região engloba Damasco, a capital, Aleppo, que já foi a segunda maior cidade, e Latakia, onde fica o principal porto do país. A retomada de Aleppo das mãos dos vários grupos rebeldes, em dezembro de 2016, foi um símbolo das grandes batalhas sangrentas pelo controle territorial na Síria. A cidade ficou extremamente destruída, foi palco de execuções e provocou o êxodo de milhares de pessoas.

A reviravolta no controle governamental leva a crer, segundo especialistas, que a fase mais sangrenta da guerra pode estar acabando. O fim não está perto, nem a paz deve ser atingida “O ápice da guerra já passou. O último ano, e especialmente o desenrolar da batalha de Aleppo, estabeleceram as condições para uma via de saída negociada. Mas a guerra deve seguir por algum tempo, ainda que já não possa mudar muito o resultado final”, afirma Salem Nasser, professor de Direito Global da FGV Direito SP.

Para Fernando Brancoli, professor de política internacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), a mudança deverá ser visível no mapa da Síria. “A guerra da Síria está deixando de ser essa guerra civil clássica, em que o espaço nacional está dividido por diversos grupos, e vai se transformar em um país em que o governo detém a maior parte do território, mas os grupos rebeldes continuam atacando”, afirma.

“O mapa de áreas controladas provavelmente vai mudar. Ele vai virar um mapa em que supostamente quem controla é o governo. Mas esses grupos vão continuar pulverizados, misturados à população e gerando problemas para a Síria”, acrescenta. rapidamente, mas é possível que os grandes combates diretos diminuam.

G1



Enviar Comentário

O portal PB Agora esclarece aos internautas que o espaço democrático reservado aos comentários é uma extensão das redes sociais e, portanto, não sendo de responsabilidade deste veículo de comunicação. É válido salientar que qualquer exagero, paixão política e infrações à legislação são de responsabilidade de cada usuário, que possui sua própria conta na rede social para se manifestar, não tendo o PB Agora gerenciamento para aprovar, editar ou excluir qualquer comentário. Use o espaço com responsabilidade.