João Pessoa, 27 de Abril de 2017

18 de Março de 2017

Transexual faz greve fome para ser presa com mulheres na Itália

Transexual faz greve fome para ser presa com mulheres na Itália

Adriana, uma transexual brasileira que vive na Itália há 20 anos, perdeu sua permissão de residência, foi detida em um centro para homens e como forma de protesto, iniciou uma greve de fome para denunciar a situação.

O Movimento Identidade Transexual (MIT) da Itália denunciou neste sábado (18) a situação da mulher que está há oito dias em greve de fome com o objetivo de ser transferida para a área feminina do Centro de Identificação de imigrantes de Brindisi, no sul da Itália, onde se encontra. A entidade não revelou o nome completo da brasileira.

O MIT informa, em comunicado, que Adriana entrou em contato para que a ajudassem com seu "pedido de ser presa junto às mulheres, protegida de discriminações e violências". A organização planeja uma uma manifestação de apoio, caso o pedido não seja atendido.

Quem uniu-se às reivindicações foi o ex-presidente da região da Apúlia, Nichi Vendola. "Quais são os direitos de uma transexual quando está presa, quanto vale sua vida, quanto pesa sua história, quanto vale sua dignidade?"

Adriana vive na Itália há duas décadas e agora, após perder o trabalho, teve a permissão de residência no país negada, segundo explicou o próprio Vendola, muito ativo na defesa dos direitos do coletivo LGBT.

Por essa razão, foi presa em um centro de identificação e expulsão de imigrantes, à espera de que as autoridades estudem sua solicitação de asilo porque temem por sua segurança uma vez que retorne a seu país natal, Brasil.

"A Adriana espera para saber qual será seu futuro e enquanto isso quer ficar onde deve. O governo tem orelhas capazes de escutar uma voz assim distante?", questionou Vendola.


G1



Enviar Comentário

O portal PB Agora esclarece aos internautas que o espaço democrático reservado aos comentários é uma extensão das redes sociais e, portanto, não sendo de responsabilidade deste veículo de comunicação. É válido salientar que qualquer exagero, paixão política e infrações à legislação são de responsabilidade de cada usuário, que possui sua própria conta na rede social para se manifestar, não tendo o PB Agora gerenciamento para aprovar, editar ou excluir qualquer comentário. Use o espaço com responsabilidade.