João Pessoa, 24 de Maio de 2017

15 de Maio de 2017

Caso de negligência médica pode ter levado criança à morte em hospital do HapVida

Viralizou nas redes sociais o apelo feito por Stephefany Gonçalves, 21 anos, mãe da pequena Naielly, morta no Hospital da HapVida, em João Pessoa.


Segundo relato de Stephefany, que mora em Mamanguape, sua filha apresentou um quadro de pneumonia mal diagnosticado pelos médicos do Hospital Geral da Paraíba, pertencente à HapVida.


De acordo com a mãe, Naielly foi levada várias vezes ao Hospital Geral com tosse, chegando ao quadro de febre alta e desmaios, sintomas da pneumonia, mas os médicos sempre a diagnosticaram com alergia e virose.


“Desde o dia 02/03 eu ia com frequência a urgência do hospital da Hapvida com a minha filha tossindo muito e os médicos sempre diagnosticaram como alergia”, diz Stephefany em sua postagem.


O quadro se agravou, a infecção tomou um dos pulmões da pequena Naielly, chegando à corrente sanguínea, provocando infecção generalizada por sepse, causando paralisação dos rins, levando a criança a diversas paradas cardíacas até sua morte.


“Minha filha estava desmaiando o tempo todo, eu dizia a enfermeira e ela dizia que eu estava enganada que minha filha só estava cansada. Em menos de 24 horas de internação ela foi para a UTI, teve várias paradas cardio respiratória, os rins pararam, ela fez 5 sessões de hemodiálise, fez cirurgias, e no dia 11/04 ela veio a óbito. Por uma Pneumonia não diagnosticada por preguiça médica, por acharem que sabiam de tudo”, relata Stephefany, em post de seu perfil no Facebook com mais de mil compartilhamentos.


A assessoria do Hospital Geral da Paraíba até agora não deu sua versão dos fatos.


Leia, na íntegra, a triste história da morte da pequena Naielly:

‘COMPARTILHEM POR FAVOR’

Meu nome é Stephany, durante 2 anos e 3 meses fui mãe da pequena Naielly, um bebê saudável, que nunca havia sido internada em um hospital.

Hoje dia 08/05 faz 28 dias que minha filha veio a óbito por negligência médica.

Desde o dia 02/03 eu ia com frequência a urgência do hospital da Hapvida com a minha filha tossindo muito e os médicos sempre diagnosticaram como alergia, a minha filha parou de comer, vomitava e chorava muito e eles continuavam dizendo que era alergia, nós pedimos para que eles fizessem exames e eles diziam que não havia necessidade, que era apenas alergia, ela começou a apresentar febre muito alta e eles disseram que era virose, passaram remédio e mais uma vez nos mandaram para casa, 4 dias depois dei entrada no hospital novamente e minha filha estava desmaiando nos meus braços, não conseguia respirar e eles colocaram a minha filha na observação, ela fez exames e diagnosticaram que ela estava com um grau muito avançado de pneumonia o pulmão esquerdo dela já estava todo comprometido e havia gerado uma infecção no sangue a SEPSE, eles ainda mantiveram minha filha mais de 24 horas na observação.

Quando finalmente foi internada não aparecia nenhum médico no quarto, a minha filha estava desmaiando o tempo todo, eu dizia a enfermeira e ela dizia que eu estava enganada que minha filha só estava cansada.

Em menos de 24 horas de internação ela foi para a UTI, teve várias paradas cardiorrespiratória, os rins pararam, ela fez 5 sessões de hemodiálise, fez cirurgias, e no dia 11/04 ela veio a óbito.

Por uma Pneumonia não diagnosticada por preguiça médica, por acharem que sabiam de tudo.

Agora eu estou sem a razão da minha vida.

Nós começamos a solicitar do hospital o histórico da minha filha no hospital e eles não nos entregam, fomos ao ministério público pedir que eles tomassem providência e o hospital só entregou metade da documentação, vai fazer um mês que estou sem minha filha e tudo que eu quero é justiça, mais tenho que esperar o histórico que comprova as entradas dela no hospital e o hospital de nega a entregar.  

Por favor, me ajudem a fazer justiça pela minha filha Por favor compartilhem o máximo que poder, me ajudem a fazer justiça!  

 


Fonte: Paraíba RadioBlog e Polêmica Paraíba




Enviar Comentário

O portal PB Agora esclarece aos internautas que o espaço democrático reservado aos comentários é uma extensão das redes sociais e, portanto, não sendo de responsabilidade deste veículo de comunicação. É válido salientar que qualquer exagero, paixão política e infrações à legislação são de responsabilidade de cada usuário, que possui sua própria conta na rede social para se manifestar, não tendo o PB Agora gerenciamento para aprovar, editar ou excluir qualquer comentário. Use o espaço com responsabilidade.