João Pessoa, 19 de Novembro de 2017

09 de Julho de 2017

Produtor de cachaça da PB busca o mercado do exterior. Estado é o 2° maior fabricante do país

Produtor de cachaça da PB busca o mercado do exterior. Estado é o 2° maior fabricante do país

 Uma combinação perfeita de fatores climáticos, topográficos e técnicos fazem com que a cachaça de alambique da Paraíba, no Nordeste brasileiro, tenha um diferencial em relação às demais produzidas no país. O segredo, segundo especialistas da bebida, é que o clima e o solo da região permitem que a cana absorva nutrientes que dão à branquinha um sabor diferente, tipicamente local, como acontece no terroir nos vinhos.

“A fermentação é muito importante para a composição do sabor. Na Paraíba, a maioria dos engenhos adota a fermentação natural, em que os microrganismos da própria cana- de-açúcar são responsáveis pelo processo. Chamados de leveduras selvagens, eles carregam em si o DNA da região produtora e dão gosto à cachaça. As bebidas produzidas aqui costumam ter aroma e sabor frutado”, explica Mucio Fernandes, presidente do Instituto Brasileiro da Cachaça – IBRAC e diretor do Engenho São Paulo, o maior produtor de cachaça de alambique do Brasil.

Mas não é só pelo sabor que as cachaças da Paraíba se distinguem. Hábitos de consumo adotados na região dão versatilidade à bebida e ampliam as possibilidades de combinações. “Costumes como apreciar a cachaça gelada ganharam força por aqui nos últimos 10 anos. Quando resfriada, ela fica ainda mais saborosa, porque a presença do álcool é menos perceptível ao paladar, evidenciando as características da cachaça”, diz Mucio.

No solo nordestino, ela ganha toques regionais e frutas como o caju, a seriguela ou a pitanga são incorporadas a drinques e até mesmo consumidas como acompanhamento. “A Paraíba e Pernambuco compartilham um ritual semelhante ao do consumo de tequila, só que com o caju substituindo o limão, inclusive é comum os bares servirem a cachaça com pedaços da fruta à parte”, comenta Alexandre Macário, gerente da unidade de negócios Norte/ Nordeste da Owens Illinois, fornecedora das garrafas de vidro do Engenho São Paulo.

Com tanta personalidade, o destilado paraibano não merecia passar despercebido por outras regiões do país. Para promover a bebida, foi lançada em 17 de maio a Carta da Cachaça, um livro que traz informações sobre as variedades produzidas na Paraíba e como harmonizá-las na gastronomia.

“A ideia é divulgar o material em bares, restaurantes e hotéis em todo o país. O livro também traz dados sobre o engenho produtor da cachaça escolhida”, explica Alexandre.

Primeira impressão Para cair no gosto do consumidor, os engenhos da Paraíba têm feito a lição de casa e investido não só no sabor, mas também na apresentação do produto e diferenciação. “Uma cachaça premium precisa expressar na embalagem a mesma qualidade da bebida envasada e transmitir ao consumidor todo cuidado e atenção aos detalhes que o produtor teve durante o processo inteiro, da seleção da cana, colheita até destilação. Por isso, a escolha da garrafa certa, é fundamental”, diz Alexandre.

Redação



Enviar Comentário

O portal PB Agora esclarece aos internautas que o espaço democrático reservado aos comentários é uma extensão das redes sociais e, portanto, não sendo de responsabilidade deste veículo de comunicação. É válido salientar que qualquer exagero, paixão política e infrações à legislação são de responsabilidade de cada usuário, que possui sua própria conta na rede social para se manifestar, não tendo o PB Agora gerenciamento para aprovar, editar ou excluir qualquer comentário. Use o espaço com responsabilidade.