João Pessoa, 16 de Agosto de 2017

07 de Agosto de 2017

CRM constata superlotação no Trauminha de Mangabeira

CRM constata superlotação no Trauminha de Mangabeira

Uma vistoria foi realizada nesta segunda-feira (7) pelo Conselho Regional de Medicina da Paraíba (CRM-PB no Ortotrauma de Mangabeira (Trauminha). De acordo com o CRM-PB, entre os problemas encontrados estão a falta de equipamentos e de medicamentos, manutenção do prédio em situação precária e superlotação.

Leia também: Mulher sai do Trauminha, em JP, e morre na calçada PMJP confirma que cirurgias foram adiadas no Trauminha

O órgão não interditou o hospital sob a justificativa de que "a unidade atende uma grande parcela da população e, em especial, pessoas mais carentes". A visita aconteceu aproximadamente 1 ano após fiscalização feita pelo próprio CRM-PB, no entanto, segundo o diretor do departamento de fiscalização, João Alberto Pessoa, a situação encontrada foi a mesma de um ano atrás. "A situação do hospital praticamente não mudou em relação à fiscalização que fizemos há um ano. Os problemas persistem e pouco foi feito para sanar as inadequações que encontramos em outras inspeções”.

Ainda de acordo com o que foi constato pelo CRM-PB, um equipamento de extrema importância para um hospital de trauma estaria sem funcionar há cerca de seis meses: o tomógrafo.

O CRM também ouviu queixa de pacientes e de familiares de pacientes em todos os setores.

A Secretaria Municipal de Saúde de João Pessoa ainda não se manifestou.


PB Agora




Enviar Comentário

O portal PB Agora esclarece aos internautas que o espaço democrático reservado aos comentários é uma extensão das redes sociais e, portanto, não sendo de responsabilidade deste veículo de comunicação. É válido salientar que qualquer exagero, paixão política e infrações à legislação são de responsabilidade de cada usuário, que possui sua própria conta na rede social para se manifestar, não tendo o PB Agora gerenciamento para aprovar, editar ou excluir qualquer comentário. Use o espaço com responsabilidade.